Portuguese flagItalian flagKorean flagChinese (Simplified) flagChinese (Traditional) flagEnglish flagGerman flagFrench flagSpanish flagJapanese flagArabic flagRussian flagGreek flagDutch flagBulgarian flagCzech flagCroatian flagDanish flagFinnish flagHindi flagPolish flagRomanian flagSwedish flagNorwegian flagCatalan flagFilipino flagHebrew flagIndonesian flagLatvian flagLithuanian flagSerbian flagSlovak flagSlovenian flagUkrainian flagVietnamese flagAlbanian flagEstonian flagGalician flagMaltese flagThai flagTurkish flagHungarian flagBelarus flagIrish flagIcelandic flagMacedonian flagMalay flagPersian flag
trf1-sede

Joaquim Magalhães esteve na lista pra desembargador Federal do TRF da 1a região

Written by admin on . Posted in Notícias, Publicações

Em 2014, em decorrência da aposentadoria do desembargador Carlos Olavo Pacheco de Medeiros, do TRF da 1ª região, abriu-se uma vaga destinada aos advogados pelo Quinto constitucional na Corte. 17 causídicos se inscreveram para formação da lista sêxtupla. Entre os profissionais, cinco foram do DF, três de MG, dois do PI e um dos Estados do AC, AP, BA, MA, MT, RO e TO. Entre os candidatos do Piauí estava o advogado Joaquim Magalhães.

Joaquim Magalhães faz júri em Corrente de maior repercussão na história da comarca

Written by admin on . Posted in Publicações, Reportagens

O professor Arnaldo Alves Messias, acusado de assassinar a ex-namorada Adriana Macedo Borges dos Santos, foi condenado a 21 anos de prisão. O julgamento ocorreu quarta-feira (23), em Corrente, no Sul do Piauí e durou quase 18 horas.

Adriana foi assassinada em 2009. À época, a jovem tinha 24 anos e teria sido morta por ciúmes após ter terminado o namoro com Arnaldo Alves.

O julgamento iniciou às 9h de quarta–feira e encerrou às 2h30 desta quinta-feira (24). O irmão de Arnaldo, Renato Alves, também era réu no processo e foi absolvido.

A promotoria denunciou Renato alegando que ele tinha atraído a vítima para a faculdade com objetivo da vítima conversar com seu irmão, mas quando ela chegou ao local, ele teria lhe segurado para que Arnaldo pudesse atirar.

“Prevaleceu o álibi confirmado por três testemunhas de que Renato não esteve no local do crime. Ele estava na fazenda e deixou o local para comprar um bomba. Depois, circulou pelo centro da cidade na companhia do senhor Ataliba. Foram a um estabelecimento, onde compraram água. Até que uma pessoa ligou para ele informado que Adriana tinha sido morta. A família comemorou este resultado”, afirmou o advogado de defesa Joaquim Magalhães.

 

Reportagens externas:

Vídeos: